domingo, 15 de janeiro de 2012

solidão

Do medo que temos de ficarmos sozinhos, faço a seguinte divagação...

Não é segredo que me divorciei em 2011. Foi um passo difícil na minha vida, por todos os sentimentos e consequências que trouxe, uma delas ainda por resolver e não se sabe quando.
Entre tudo aquilo que senti nos meses que antecederam o fim, lembro-me de várias vezes ter pensado que, para o bem e para o mal, estava acostumada a ter alguém ao meu lado e que o facto de ficar sozinha me assustava. Até que, um dia, percebi que não podia, nem queria, ter ao meu lado uma pessoa que não queria estar comigo.

Por mais que custe, mais vale estar sozinha do que sentir que uma pessoa está comigo porque sim, mas sem que o sim seja aquilo que deve ser: gostar de mim, amar-me.

Coragem para dizer que é melhor ir cada um à sua vida, arranja-se. A mim custou a arranjar. Levou meses. Eu própria também me questionei sobre o que realmente sentia e se não me tinha acomodado a ter alguém ao meu lado. Mas, como já disse, ter por ter não basta. A mim não bastou, nem basta.

Dar o passo de terminar uma relação não é fácil. Por mais complicado e difícil que seja, que doa, que toda a gente se vire contra nós, há um momento em que, finalmente, percebemos que não dá. Porque podemos andar a empatar a nossa vida, a desperdiçar oportunidades... E a empatar a vida de outra pessoa.

Se é suposto sermos felizes, vamos ser egoístas e pensar em nós! Queres ao teu lado uma pessoa que não gosta de ti? Eu não!

5 comentários:

Cenas que te passaram pela cabeça, quando leste as minhas cenas!!