segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

experiências

Como eu não tinha nada para fazer esta tarde, deu-me para andar a mudar aqui o aspecto do blog. Experimenta ali, agora aqui... E a net foi-se! Por umas horas valentes. E eu fiquei sem saber como tinha ficado isto. Até que o Jack me liga e, prioridades, "vê o meu blog que blá, blá, blá, e eu não sei como é que aquilo está!".
 
Pois que ficou tal como está agora. E não me apetece mudar hoje, porque estou com uma neura fenomenal que já quase não me aturo.
 
O mais certo é voltar para o ano. E, espero não me enganar, mas 2013 vai ser um ano de mudanças!

Encontramo-nos algures por aí, em 2013.
 
Adeus 2012. Já eras.


 
 

domingo, 30 de dezembro de 2012

então, agridoce, o que fizeste hoje?

Nada.

Dei cabo dos episódios que estão online da série 2 de Revenge. Quero mais!

A tese?! A orientadora ontem disse-me que o domingo é dia de descanso. E hoje ligou para se certificar que eu não estava a panicar.

Não me lembrava de ter um dia assim... Agora estou com a neura de quem não saiu de casa, mas devia ter saído.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

coisas da tese #7

Hoje foi o dia que escolhi para o verdadeiro ataque de pânico à conta da tese.

Depois de uma tarde de merda, nada como abrir o email e dar conta que não têm os dados que preciso para 2 anos...

E eu penso: mas se têm para 2011 e 2010, como é possível não terem para os outros?! Se têm as putas das contas como é possível não terem a merda dos anos anteriores?

De cabeça: 77 x 2 = 154 observações, metade das 308 que preciso...

Ora, foda-se.



coisas da tese #6


Stressadinha e à beira de uma ataque de nervos.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

oi? blog admirável? estás doido...

Diz o Pestinha que este blog é admirável. Eu acho que ele não está bom, mas pronto...



Parece que é suposto responder a estas duas perguntas:
 
Quem é que mais admiras e porquê?

Eu poderia escrever que as pessoas que mais admiro são os meus pais, porque tiveram um filha fantástica! ;)

Admiro todas as pessoas que têm coragem de dar um murro na mesa, para irem à procura da felicidade. Admiro que tem a coragem de sair de uma suposta zona de conforto, que não é conforto nenhum.

 
Porque é que decidiste criar o blogue? Sentes que mudaste desde então?

Era suposto ser um sítio para bater com a cabeça na parede, numa altura de mudanças na minha vida.

Claro que sim. Voltei a ser eu... Simplesmente.


Uma vez que te foi oferecido, tens de passá-lo a quatro blogues que aches admiráveis - não pode ser simplesmente levado.

Eu sou do contra e, como tal, passo esta à frente!

cheesecake*

"Desta vez o cheesecake correu bem! Fui eu que bati as natas!", by L.

Horas depois.

Natas, natas de soja para aqui, natas de soja para ali...

"As natas do cheesecake são de origem animal.", by V.

...
...
...
...
...

* pode ler-se: a mente dos meus amigos é pior do que a minha. ou não.

domingo, 16 de dezembro de 2012

Custou. Quase puxado a ferros. Cheguei a oferecer pancada a toda a gente, porque ninguém se entendia. Ou estava sol, ou chovia, ou o gato que está doente... Ou nesse dia não dá, no outro só se for jantar, ai nesse não que vai doer-me a cabeça. Não foi fácil.
 
Provamos uns aos outros que temos dotes culinários! Como me disse o J.: "Já podes casar, sabes cozinhar!" Gargalhada, claro! :D
 
Gargalhadas, conversas sérias, conversas menos sérias. Amizade. Muitas frases com duplo sentido. Muitos olhares seguidos de gargalhada! Muitas dessas frases escritas num telemóvel, para a eternidade.
 
E, no fim, a certeza que aquelas amizades são para a vida. Juntos há dois anos, mas a parecer que já passou muito mais.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

momento perfeito

Não há momentos perfeitos. É ficção. Não existem.


E, às vezes, mais vale arriscar...

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

se é para acabar a 21 de dezembro...

... alguém pode ter a gentileza de me informar, assim já, neste preciso momento?

É que páro já de escrever a tese. Era só isto.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

eu #5

Como já deve ter dado para reparar, eu sou muito mais emotiva do que racional. Quando os sentimentos e emoções estão à flor da pele, sou de explosão fácil. Digo as coisas sem pensar e isso já me trouxe alguns dissabores.

Admiro muito o agridoce júnior 1 por em momentos de tensão e conflito ele conseguir ser racional, naquele preciso momento. Por ele conseguir ver as coisas com calma. Por ele, mais novo do que eu, chamar-me à terra e dizer "Calma!".

Porque faz parte da vida, fui aprendendo a controlar esta minha forma de agir. Confesso que, às vezes, não é nada fácil, mas consigo contar até 10 (bem, talvez 100) antes de abrir a boca e as coisas saem menos mal, pois enquanto conto, a cabeça controla o coração. Assim como também já consigo (não) responder a emails e guardá-los nos rascunhos... Mails do género "Vai à merda" ou pior. Ignorar, tentar não dar importância a quem não a tem.

Depois há as outras alturas em que quero dizer as coisas, mas não sei muito bem como, porque ou não encontro as palavras certas, ou quero dizê-las de forma bem clara, ou simplesmente não as digo com medo... medo da reacção de quem as vai ouvir.

Isto tudo para dizer que ando num dilema interior. Não sei se diga, não sei se quero dizer, não sei se quer ouvir, não sei se quero admitir, não sei se o melhor é... partir a louça toda de uma vez por todas!


domingo, 2 de dezembro de 2012

eu #4

Até ao dia em que me passe da puta da cabeça e parta a louça toda.

eu #3

A razão diz-me uma coisa... O coração outra.

O que sei é que, para já, parece que o coração quer levar vantagem. Mesmo quando a razão parece saber que esse poderá não ser o melhor caminho.


(escrito em agosto de 2012 e guardado nos rascunhos)