quinta-feira, 24 de outubro de 2013

das mudanças

Em 2011, mudei de casa (abril). Mas para que é que uma pessoa precisa de tanta coisa?! Ena, eu tenho isto?

Em 2012, mudei de escritório (março). De onde é que apareceram tantos dossiers?! Olha... 1900 e troca o passo? Já não interessa a ninguém. Reciclagem!

Em 2013, voltei à primeira linha. Em março comecei a levar as coisas aos poucos. Em abril foi de vez.  Perdida no meio de caixotes, dei por mim a dizer que nunca mais mudo de casa. Contudo, a vida já me ensinou que nunca devo dizer nunca.

Cada uma melhor do que a outra...

10 comentários:

  1. Para melhor muda-se sempre.. com ou sem caixotes :)

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. Depende, mas nestes casos a mudança foi positiva!

      Eliminar
  3. Mudar:)...é bom (quase sempre:)

    jinhoooosss (aproveita-se e vai tralha fora:)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já foi alguma, já... Mas ainda há tralha à espera que eu tenha coragem.

      Bjo e bom fim de semana!

      Eliminar
  4. Há quem resista à mudança, e há algo de bom na estabilidade e rotina, mas a mudança é sempre bem recebida! Não há nada que nos dê mais ânimo do que mudar de quando em vez... Boa sorte!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A instabilidade da mudança de casa foi um coisa temporária, como eu sempre disse! Coisas da vida!
      Já a mudança de escritório foi para melhores condições, espaço novo, maior!
      Portanto, todas para melhor mesmo!

      Eliminar
  5. Mesmo quando não parece, acumulamos tralha e mais tralha que se torna especialmente visível em alturas de mudança:)

    ResponderEliminar

Cenas que te passaram pela cabeça, quando leste as minhas cenas!!