segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

está uma gaja sossegada no sofá, numa noite de chuva...

agri-júnior 2 telefona-me. Faz-me uma pergunta e diz "Se tiveres, traz para cá amanhã.".

Isto nem tem nada de mal se eu não tivesse de me levantar do sofá, calçar-me, vestir um casaco, sair de casa e ir à garagem...

Deixar para amanhã? Sou gaja para me esquecer...

não se pode estragar...

Sobrou do jantar de ontem... As primas não deram conta da garrafa. Como uma delas ia conduzir, a outra foi solidária.
Hoje, ao jantar, a prima solidária lembrou-se...



quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

em 2013 foi assim...

... passei a ser a única proprietária de uma casa. Basicamente, endividei-me a 100% e deixei de o estar a 50%.
... acabei a tese. 
... levei pancada na defesa da tese, de todos os lados e mais alguns. Aguentei-me sem pestanejar.
... aos poucos fui trazendo coisas para esta casa. Melhor: voltei a trazer tudo para esta casa.
... um dia ganhei coragem, peguei numa mochila e disse à minha mãe que vinha dormir cá. Nunca mais voltei a dormir em casa dos meus pais. Pronto... Dormi na noite de natal! :p
... senti que o passado não vive neste casa. Apenas o presente e o futuro.
... não fui a nenhum dos festivais de verão.
... mas fui ao Caixa Alfama.
... troquei de carro, sem contar isso. Não comprei o carro dos meus sonhos, tomei uma decisão racional e estou satisfeita com o meu preto mágico.
... voltei a ter o coração partido em mil pedaços. Sobrevivi, claro!
... ouvi isto ao vivo.
... decidi umas férias numa noite, acompanhada de uma garrafa de licor Beirão e da minha sempre amiga M. Em menos de duas horas, tudo decidido: destino, datas, viagem, estadia.
... nem sempre consegui cumprir a vontade de todos os meses estar com a mini gaja, sobrinha de coração.
...surpreendi muita gente ali com as primeiras linhas: viver sozinha, numa casa que um dia foi palco de uma vida de casada.
... descobri que continuam a referir-se a mim como "a minha cunhada"... Muito estranho.
... sofri um golpe muito duro 3 dias antes das férias ali de cima. O que foi bom. A distância ajudou.
... sobrevivi à primeira grande inspeção (tributária) de um cliente! Eu e ele, claro! Sou mesmo boa, pá!
... depois de a vida ter dado voltas e reviravoltas, estive no casamento de dois amigos dos tempos do secundário.
... voltei a descer o rio, num dia de calor insuportável em agosto.
... decidi que estava na altura de ver quanto tempo aguento sozinha a lidar com as minhas coisas, com os meus filmes e dramas, com a minha vida.
... decidi experimentar lentes de contacto.
... deixei caixotes por arrumar.
... voltei a sentir borboletas, a ter um sorriso parvo... enfim!
... assisti a uma queda numas escadas rolantes, digna de cena de filme! Com um trolley sempre a amparar a queda de alguém e com duas pessoas à gargalhada! Se vissem também riam, aposto!
... passeei de barco no rio Vltava, andei nas catacumbas de Praga só com umas lanternas piores que a app do meu telemóvel e muito mais.
... o meu blog passou a ter mais seguidores, mais visitas.

... e tantas outras coisas, mas, como dizem os outros, há uma linha que separa o blog da minha vida.

O:) #17


O:) #16


quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

parece que já passou o natal...

Choveu que foi coisa má... Caíram calhaus de granizo. Acordei com dor de garganta e nariz entupido... Estou com uma ligeira dor no ouvido direito. 

Em casa de agri-pais tudo tranquilo e calmo. Quase um almoço de domingo, com todos juntos, mas com muitos doces na mesa!

Fui com agri-júnior 1 assistir ao concerto de natal dado pela Orquestra Ligeira da Filarmónica lá do sítio. Num concelho tão pequeno e tanta gente nova! Fiquei surpreendida. Só hoje estrearam-se, em público, 11 elementos.

Acho que estou mesmo constipada...

O melhor da noite de natal: a prima mais nova e a emoção da prendas! A prima que emigrou para Moçambique estar cá, connosco!

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

não se explica, sente-se

Ontem, 150 km para cada lado.

Abraços e festinhas da sobrinha de coração, abraços da mãe dela.

Meia dúzia de palavras sobre o que vai no coração e na cabeça. Silêncios...

Ter sabido a pouco, mas ter a certeza que o valor acrescentado foi enorme!

domingo, 15 de dezembro de 2013

ironia

Mudando ali aquela primeira frase, realmente parece mais fácil arranjar um unicórnio, do que conseguir que determinado acontecimento surja... 



alguma vez levaram com o cano do aspirador no nariz?

Eu já...

Não sei como aquilo aconteceu. Só sei que queria separar o cano para limpar a escova. E de repente vi estrelas...

Decididamente eu não nasci para dona de casa!

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

cenas

Tenho um amigo que oficialmente vai passar o fim de semana a Lisboa.
 
Esse mesmo amigo já aterrou numa capital europeia e enviou-me sms a dizer que tinha chegado bem. Respondi: "tem cuidado que essa malta de Lisboa é meio louca!"*
 
O que aconteceu a seguir?
 
"De Lisboa?"
 
"Mas eu tenho de explicar tudo?!"
 
 
 
* sem qualquer tipo de ofensa, tá?
 

há 11 anos

Era sexta feira 13, também.

Foi o exame da cadeira que faltava para acabar o curso...

11 anos?! wtf!!!

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

sábado, 7 de dezembro de 2013

qual a probabilidade de... #2

Quinta feira, 11 da manhã, triagem e... pulseira verde.

Sexta feira, 9 da noite, triagem e... pulseira amarela.

Sábado, quase dez da noite... Tudo tranquilo!


quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

o mundo está mais pobre


qual a probabilidade de...

... eu e a gaja do holter sermos reencaminhadas, as duas, no mesmo dia, com 40 minutos de diferença, para o mesmo hospital central?

...nos encontrarmos lá e estarmos as duas a fazer tempo?

...estarmos prontas a sair com 5 minutos de diferença?

... o júnior 2 também ter ido fazer uma visita ao centro de saúde?

Resultados finais:
- uma com consulta marcada para mais exames;
- outra que provavelmente foi bruta a tirar uma lente de contacto e tem uma hemorragia no olho ("Não se preocupe com isso!")
- outro a antibiótico e enfiado na cama.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

se fosses minha irmã, não era assim

Já lá vão uns quantos anos que nos conhecemos. Já choramos e rimos uma da outra e uma com a outra. Conseguimos sentir o que se passa, bastando uma palavra que (não) se diz. Muitas vezes uma está a pensar na outra e um telefone toca. Alturas houve em que estivemos meses sem nos vermos, mas parecia ter sido sempre ontem a última vez. 

Dá-me na cabeça como mais ninguém, mas é a única a ter esse privilégio. É a única que me atira à cara aquilo que eu estou farta de saber, que o diz sem floreados e sem rodeios. Que me diz a verdade nua e crua. E a quem eu de lágrimas nos olhos já respondi "Mas tu estás a ouvir o que me estás a dizer? ". E por muito que custe ouvi-la dizer certas coisas, esse é mesmo o papel dela. Já vimos tantas mudanças na vida uma da outra... Já passámos por coisas que nunca pensámos que elas iam acontecer. Percebemos as duas, na mesma altura, que somos muito mais fortes do que pensamos. Que somos porto de abrigo uma da outra.

Amanhã é o dia dela. E não vamos estar juntas, porque a vida é mesmo assim. Nunca a distância física abalou a nossa amizade. E se nos aturamos há 15 anos, não me parece que agora, gajas adultas e responsáveis, nos dê uma parvoíce qualquer e vá cada uma para seu lado. 

Gaja, não sei se ainda cá vens, mas se deres com os olhos nisto, o recado é este: gosto mesmo muito de ti! 




revisão do indexante

Gosto quando o banco me envia, de 3 em 3 meses, uma carta com aquele assunto.
 
Mas gosto assim mesmo muito quando sei que a revisão do indexante significa pagar menos. Como sou uma gaja atenta a essas coisas, sei quase sempre o que me vai acontecer.
 
Se da outra vez paguei 4 cêntimos de gás, desta a prestação da casa desceu a fantástica quantia de... Que eu nem sei o que vou fazer com tanto dinheiro... 13 cêntimos.
 
 
Sim, recebi uma fatura de 4 cêntimos de gás! Não dei a leitura um mês e os gajos aproveitaram. No mês seguinte, a conta estava quase paga.