quarta-feira, 25 de junho de 2014

há sempre uma primeira vez para tudo

À (minha) frase "isto nunca aconteceu", a resposta foi:
 
- "Aprendemos a andar quando somos pequenos e, ao longo da vida, também caímos. Há sempre uma primeira vez para tudo."

Ui... Alguém não gostou que me tivesse queixado.
 
Pois há, há. O gajo até tem razão, mas não foi ele que saiu de lá com dois pensos, um em cada braço. Não foi no braço dele que espetou a agulha e não acertou com a veia.



6 comentários:

  1. Já me defendi à dentada e ao pontapé duma enfermeira que não me acertava com a minha veia...eu tinha 4, 5 anos...não foi a minha primeira vez...a dela (levar no focinho de uma miúda) acredito que sim.

    Eu a esse dizia-lhe onde lhe enfiava a filosofia...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O gajo entrou a atacar. Tenho a certeza que não fui bruta, nem mal educada porque até comecei por dizer "estou a ficar nervosa".

      Ainda o vi a contorcer a agulha no primeiro braço e quando estava a abrir a boca para dizer "isso é que não", ele retirou-a.

      Quando saí, pediu-me desculpa.

      Vou aquele posto de recolha há muitos anos, porque o enfermeiro que lá trabalha é impecável (sim, sim, isto é quase uma aldeia e ele é o único a tirar sangue). Logo por azar, está de férias...

      Eliminar
  2. Continua a queixar-te...Faz bem para desopilar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou não. Afinal ele é que tinha agulhas na mão, não era eu!

      Eliminar
    2. Agulhassssssssssss,,,vou fugir!

      Eliminar
  3. Eu, que tenho pânico a agulhas, arrepiei-me a ler :P ponto :P

    ResponderEliminar

Cenas que te passaram pela cabeça, quando leste as minhas cenas!!